× Capa Textos Áudios Perfil Livro de Visitas Contato Links
Wilson Magalhães
Poesias e Músicas
Áudios
NUVENS SECAS
O meu sertão
Uma terra onde o céu insiste em não regar
Mesmo assim
A vida brota, na terra, na água e no ar
Os passarinhos acordam o sol de manhãzinha
O cheiro quente de café vem da cozinha
Anunciando que o dia já nasceu
E vem sorrindo sob as bençãos de Deus
Descortinando o arrebol
Como é lindo o nascer do sol

No meu Sertão
Nuvens secas voam alto sem se derramar
Mesmo assim
O Sertanejo parte pra lida sem desanimar
Se cai a chuva o ano vai ser de fartura
Feijão-de-corda, milho verde e rapadura
Graças à Deus que o açude vai encher
O verde vai crescer e o campo florescer
E chuva vai cumprir a sina
De fazer festa na caatinga

O meu sertão
Uma terra onde o céu insiste em não regar
Mesmo assim
A vida brota, na terra, na água e no ar
Os passarinhos acordam o sol de manhãzinha
O cheiro quente de café vem da cozinha
Anunciando que o dia já nasceu
E vem sorrindo sob as bençãos de Deus
Descortinando o arrebol
Como é lindo o nascer do sol
Enviado por Wilson Magalhães em 24/06/2022
Comentários

RETRATO FALADO

 

Torço para um time, mas posso mudar

Depende pra onde o vento tocar

Casei muitas vezes, defendo o lar

Meu último filho pensei abortar

 

Meu sêmen é forte, sou macho espada

Juro que até hoje, não dei uma brochada

Nem sempre acontece a coisa esperada

Nasceu uma fêmea de uma fraquejada

 

Repito versículos como devoção

Mas quando discurso falo palavrão

Misturo interesses com religião

As coisas do céu com as coisas do chão

 

Minha ignorância, chamo de estilo

Neguei a vacina, não virei crocodilo

Escondo os gastos, as contas, os vacilos

Pra ninguém saber, cem anos de sigilo