Textos
CEIFEIRO
Os sinos dobram, a noite vem como um clarão, coroa as sombras
Desconhecido como o além, soprando a morte pelo ar
Mata o mundo sem compaixão enche de corpos o nosso chão
Mal invisível um grande vilão sufoca a dor, tolhe a razão

Ceifando troncos deixando filhos ao desespero dos orfanatos, na letargia
Ceifando troncos deixando filhos ao desespero dos orfanatos, na letargia

Impondo tela como visão: lives, chamadas, televisão
Baniu abraço pelo caminho, de longe o afago como carinho
Mata o mundo, sem compaixão enche de corpos o nosso chão
Mal invisível, um grande vilão sufoca a dor, tolhe a razão

Ceifando troncos deixando filhos ao desespero dos orfanatos, na letargia
Ceifando troncos deixando filhos ao desespero dos orfanatos, na letargia
Wilson Magalhães
Enviado por Wilson Magalhães em 14/04/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários