× Capa Textos Áudios Perfil Livro de Visitas Contato Links
Wilson Magalhães
Poesias e Músicas
Textos
DEBANDADA
Quando retornei pra minha casa
Nem um pé de planta avistei
O cão que rosnava na varanda
Seu latido eu não escutei

Os bichos não mais faziam festa
Nem corriam pela plantação
Chifres espremidos nas cocheiras
Na engorda para exportação

O vento soprava sufocado
Fole de uma mata sem pulmão
Sucumbida à fúria do arado
A sombra não mais cobria o chão


Até o pedreiro João-de-barro
Trancou a porta de sua morada
O coral que animava as matas
Calou-se não tem mais alvorada

Os rios cederam suas águas
Ao progresso da irrigação
Margens afogadas no seu leito
Pela falta de vegetação

Olhei para a fauna e para a flora
Viventes das águas, céu e chão
Nas folhas de livros escolares
O futuro da vida, a extinção
Wilson Magalhães
Enviado por Wilson Magalhães em 25/12/2021
Alterado em 25/12/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Áudios Relacionados:
DEBANDADA - Wilson Magalhães
Comentários

RETRATO FALADO

 

Torço para um time, mas posso mudar

Depende pra onde o vento tocar

Casei muitas vezes, defendo o lar

Meu último filho pensei abortar

 

Meu sêmen é forte, sou macho espada

Juro que até hoje, não dei uma brochada

Nem sempre acontece a coisa esperada

Nasceu uma fêmea de uma fraquejada

 

Repito versículos como devoção

Mas quando discurso falo palavrão

Misturo interesses com religião

As coisas do céu com as coisas do chão

 

Minha ignorância, chamo de estilo

Neguei a vacina, não virei crocodilo

Escondo os gastos, as contas, os vacilos

Pra ninguém saber, cem anos de sigilo